30/05/2013

Motorola Razr D1 - Review

A Motorola já foi sinônimo de celular.Muitos que estão lendo essa matéria já tiveram um Startac, um Ultratac ou um celular Razr. Porém, estratégias erradas fizeram a empresa perder muito mercado e até mesmo ser comprada pelo Google. Porém, recentemente ela surpreendeu o mercado brasileiro ao lançar dois aparelhos que possuem uma ótima configuração, versões com dual chip e até tv digital, mas com um preço abaixo do que esperaríamos de um smartphone assim: os Razr D1 e D3.

E parece ser uma estratégia acertada, já que o Razr D3 está difícil de encontrar, tamanha a demanda; e o Razr D1 está vendendo como água. E finalmente tive a oportunidade de por as mãos no D1 e colocar minhas impressões sobre esse ótimo aparelho, que está revolucionando o mercado de entrada dos smartphones Android!



Características
  • Tela LCD TFT de 3.5", 320x480, capacitiva e dens. 165ppi
  • CPU single core de 1GHZ, GPU PowerVR SGX 531
  • 1GB de RAM, 4GB mem. interna, (2GB p/ apps e 2GB p/dados)
  • slot p/ cartão micro SD
  • câmera traseira de 5MP, auto foco e HDR, sem flash
  • sem câmera frontal
  • 3G HSDPA até 7.2Mbps, wi-fi b/g/n, hostpot
  • Bluetooth 4.0, A-GPS
  • Android 4.1.2, garantia da Motorola de atualização
  • Versões com single e dual chip e TV digital
  • Bateria de 1785 mAh
  • Dimensões: 110 x 59 x 11 mm 
  • Peso: 110 gramas


Design

Quem já tocou um dos novos aparelhos da linha Razr da Motorola se sentirá familiarizado com o visual do Razr D1. Ele possui praticamente as mesmas linhas, com as bordas levente chanfradas, o volume um pouco gordinho, os parafusos nas laterais e a aparência definitivamente diferente dos aparelhos de outros fabricantes.

Na parte frontal está a tela de 3.5 polegadas. Logo abaixo estão os três botões capacitivos: voltar, home e multitarefa. Eles não estão diretamente na tela, como no Razr i, algo que é muito bom já que diminuiria ainda mais o tamanho dela.

Na lateral direita podemos encontrar os botões de volume e de liga/ desliga/ travamento da tela. O conector micro USB é encontrado na lateral esquerda. Na parte superior está o conector P2 para fones de ouvido. Por fim, na parte superior há um pequeno recorte que permite abrir a tampa e acessar a bateria. Sim, ao contrário de alçguns aparelhos da linha Razr, o D1 possui a bateria removível.

Debaixo da tampa da bateria também estão os dois slots para os cartões SIM (na versão single chip é apenas um slot) e a entrada para o cartão micro SD. O D1 usa SIM Cards no tamanho normal, algo que está começando a ficar menos comum.

Tela

As 3.5 polegadas da tela são pouco para os padrões atuais. Mas ela me pareceu suficiente para a maioria das funçoes do aparelho, como navegação, jogos, fotos, apps... A resolução de 320x480 pixels, igual a do LG L5, não é suficiente para esconder os pontos na tela. Porém, a tela como um todo me agradou bastante, com bom nível de cores e contraste e é uma das melhores que vi em sua categoria. Por exemplo, ela não tem as imagens com aspecto lavado como vi em outros aparelhos.

Processamento/ Desempenho

Esse é um dos pontos que mais surpreende no D1. O processador single core de 1GHz, a memória RAM de 1GB e a memória interna de 4GB estão longe de fazer frente aos aparelhos top. Mas o que impressiona é que essa configuração é bem superior aos aparelhos de entrada, onde é comum encontrar processadores de 800MHz, 512MB de RAM e menos de 200MB de memória interna. Essa combinação e o processador gráfico PowerVR SGX 531 são suficientes para rodar bem até mesmo jogos pesados. Claro que alguns lags (momentos de lentidão) nos jogos poderão ocorrer. Mas no geral, o desempenho é muito bom.

Esse desempenho pode ser conferido também nos aplicativos instalados, que tem sempre uma resposta

muito boa, longe de parecer um aparelho do segmento de entrada. O Chrome, que é o navegador padrão do D1, funciona de forma fluída e sem engasgos, mesmo com muitas abas abertas. O único detalhe é que as vezes ele fica carregando a página em blocos, notando esse comportamento ao rolar rapidamente a página. Mas é algo que não prejudica a experiência de navegação.

Jogos como o Subway Surfers e Candy Crush Saga rodaram bem no D1, com desempenho superior a aparelhos considerados intermediários como o Atrix TV e o Galaxy Ace.
Retirando a tampa da bateria, é possível acessar os dois
slots para SIM Cards e a entrada para cartão micro SD.

Câmera

O Razr D1 possui apenas câmera traseira. Ela possui 5MP e foco automático. Não possui flash, mas em compensação vem com HDR, que é um recurso que melhora as imagens com diferentes tons de luz. Por exemplo, uma foto tirada de dia, mas com céu nublado terá na mesma imagem pontos claros e escuros e a tendência é que a câmera vá enfatizar um deles, prejudicando o outro. No modo HDR, a câmera registra várias imagens com diferentes ajustes de luz e junta tudo numa imagem só, melhorando a qualidade da imagem como um todo.

Infelizmente, a câmera segue a cartilha da maioria dos aparelhos celulares: fotos muito boas em ambientes com muita luz e bastante ruído em locais com pouca luz. Mesmo com o HDR, ainda assim aparece bastante ruído em imagens com pouca luz.

Quanto ao modo de filmagem, a câmera do D1 filma em até 480p. Nada surpreendente, porém algo que gostei muito é que dá para ajustar o foco durante a filmagem, melhorando a definição do tema gravado. Além disso, acredito que a filmagem é feita a 30 quadros por segundo, pois a gravação apresentou uma boa movimentação.

Sistema
Razr D1 (à dir.) ao lado do Lumia 620: Tamanho compacto
O D1 já vem com uma das mais recentes versões do sistema Android: 4.1.2. Já é algo muito bom se considerarmos que vários aparelhos no mercado ainda estão com a versão 2.3. Mas o melhor de tudo é que a Motorola prometeu atualizar o D1 para a próxima versão do Android. Ou seja, pelo menos uma atualização é garantida, se a empresa manter sua palavra. Algo que é bem provável, já que ela até faz propaganda sobre essa atualização. Só não está certo qual será a próxima versão que entrará na atualização: a versão 4.2, 4.3 ou 5.0.
Espessura do Razr D1 (à dir.) comparado com o Lumia 620:
Ambos aparelhos são um pouco gordinhos.
E, como tem feito ultimamente, a Motorola tem usado praticamente a versão pura do Android (talvez por influência do Google). As alterações que ela fez são poucas, mas bastante úteis, como a opção de criar uma área padrão no aparelho,  a lista de atalhos que fica no extrema esquerdo da tela ou a tela de desbloqueio, com atalhos para a câmera, contatos e mensagens. São opções bacanas, mas que não tiram a essência do Android puro.

A solução que a Motorola tem adotado para o gerenciamento dos dois chips é bem eficiente. Na própria tela do discador estão os botões de seleção dos SIM Cards. Você tecla o número e aperta no botão do SIM Card 1 ou 2 para discar. Simples e intuitivo. O mesmo vale para as mensagens. O único porém dessa solução é que você fica impedindo de instalar um app de discagem de terceiros, pois não haverá como escolher qual SIM irá realizar a chamada, ficando apenas o SIM padrão selecionado.
Tela de 3.8" do Lumia 620 contra 3.5" do Razr D1
Bateria

Com 1785mAh, a bateria do Razr D1 é suficiente para um dia inteiro de uso entre moderado e intenso, mesmo utilizando a função dual chip. Somente a TV digital (que não veio no aparelho que testei) poderia drenar essa bateria rapidamente. Mesmo não chegando à duração do Razr i, o D1 irá surpreender positivamente a maioria dos seus donos. E o fato de ser acessível permite trocá-la facilmente.
Bateria de 1785mAh do Razr D1: boa autonomia.
Conclusão

O Razr D1, juntamente com o D3, formaram uma jogada de mestre da Motorola, que estava correndo o risco de se tornar uma empresa irrelevante, mas virou o jogo e criou um novo patamar de preços para o mercado de entrada (aparelhos mais simples e baratos) e intermediário (aparelhos entre os simples e tops). O D1 é, sem dúvida nenhuma, o melhor aparelho de entrada lançado até hoje e que ainda conta com um preço pra lá de competitivo. Felizmente os concorrentes já começaram a se mexer, sendo que a LG já lançou o L3 II e a Samsung disponibilizou o Galaxy Pocket Plus. Ambos são muito bons, mas o D1 ainda é o melhor dessa categoria.
O D1 vem com Android 4.1.2 e tem garantia de atualização
pela própria Motorola.
Apenas fiquem atentos em relação às versões. O Razr D1 foi lançado com single chip, dual chip e dual chip + TV digital. Já vi anúncios que não deixavam claro se a versão vendida era com ou sem TV digital. Pesquisem bem antes de comprar. Mas não tenham dúvidas de que o D1 é um aparelho recomendadíssimo!










3 comentários:

  1. Parabéns ótima matéria sobre o d1.-

    ResponderExcluir
  2. Matéria muito esclarecedora e com detalhes importantes. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Oii Por favor Vocês sabem se com esse aparelho é possível assistir filmes on-line???

    ResponderExcluir